tratamentos

Doenças bolhosas

As bolhas que surgem como parte de uma doença sistêmica (em todo o corpo) podem começar nas camadas mais profundas da pele, afetando depois áreas extensas. Essas bolhas curam-se mais lentamente e podem deixar cicatrizes. As bolhas formam-se, mais frequentemente, como resposta a uma lesão específica, como uma queimadura ou uma irritação e, em geral, envolvem apenas a camada superior da pele. Essas bolhas curam-se rapidamente, sem deixar cicatriz.

Muitas doenças e lesões podem provocar bolhas, as mais sérias são:

Penfigoide bolhoso – A coceira é geralmente o primeiro sintoma do penfigoide bolhoso. Antes de surgirem as bolhas, grandes áreas salientes podem se desenvolver, às vezes com aspecto de urticária. As bolhas normalmente surgem nas partes do corpo que podem ser flexionadas, com a parte de trás do joelho, nas axilas, na parte interna do cotovelo e na virilha. O diagnóstico é dado na avaliação médica e com a biópsia da pele.

Dermatite herpetiforme – Doença autoimune que provoca aglomerados de bolhas avermelhadas e edemas semelhantes a urticária em pessoas com doença celíaca – intolerância ao glúten. Geralmente, bolhas e urticária formam-se aos poucos, principalmente nos cotovelos, nos joelhos, nas nádegas, na região lombar e na parte posterior da cabeça, mas elas podem surgir repentinamente. Em certas ocasiões, surgem bolhas na face e no pescoço.

Pênfigo vulgar – Doença autoimune, rara e grave, na qual bolhas de diversos tamanhos surgem sobre a pele e o revestimento da boca e em outras membranas mucosas. É mais frequente em pessoas de meia-idade ou idosos, afetando de maneira uniforme tanto homens quanto mulheres. Raramente afeta as crianças. As bolhas podem surgir na pele e se romper, deixando feridas crostosas, dolorosas e em carne viva. A pessoa se sente indisposta no geral. As bolhas podem se espalhar e, quando se rompem, podem se tornar infeccionadas.